Cavalgada do Chupé mantém viva a tradição rural e equestre em Buritizeiro

Aconteceu na manhã de sábado (22/06), no auge do feriadão de Corpus Christi e às vésperas do Dia de São João – a 9ª ‘Cavalgada junina Estrela do Céu Azul’, especialmente conhecida como “Cavalgada do Chupé”. 

 Fotos: ASCOM/PMB


O evento anual vem se firmando no calendário oficial de eventos de Buritizeiro, mantendo vivas as tradições rural e equestre no município.

Organizada por João Elias dos Santos Nascimento e uma grande equipe de familiares, amigos, apoiadores, parceiros e adeptos do esporte - também tratado como filosofia e estilo de vida - a cavalgada contou novamente com o apoio da Prefeitura, através das Secretarias municipais de Cultura, Turismo, Esporte e Juventude (SECTEJ), Infraestrutura e Urbanismo (Obras).

A concentração dos cavaleiros, amazonas e comitivas, com direito a café da manhã, participação especial do locutor Romeu Santos (de Belo Horizonte) e últimos preparativos para a partida, ocorreu na Praça da antiga “Estação ferroviária Independência”, mobilizando parte dos 160 participantes do evento. Todos vestindo o traje oficial da cavalgada e todos os aparatos típicos essenciais, do chapéu às botas.

Cavalgada, fé, cultura e festa popular



No total, 28 km e 16 horas de percurso, atravessando parte da cidade e percorrendo a antiga Estrada Real de Paredão de Minas - desbravando os caminhos de João Guimarães Rosa pelas trilhas e paisagens do cerrado buritizeirense, como citou o Cavaleiro João Nascimento. Após a parada na denominada ‘Vereda do Alemão’, o grupo seguiu até o destino final: Sítio Céu Azul, na comunidade rural de Chupé.

Recepcionados pelos proprietários Dona Alzira Rocha e Celso Ferreira Nascimento, cavaleiros e amazonas, de várias idades, se juntaram aos moradores da região na programação, nas atrações e na devoção religiosa que marcaram a “10a Festa comunitária do Chupé”: Levantamento do mastro simbólico de São João Batista, acendimento de fogueira, novena e grande jantar comunitário.

No palco da festa, os sons do DJ Patrimix, do Cantor Fábio Pesadão, das duplas Dan & Albert, Carlos Magno & Zarcão, com direito a muito forró arrasta pé, moda sertaneja de raiz, arrocha e sertanejo universitário. Assim, misturando cavalgada, religiosidade, uma série de referências culturais, clima de festejo popular e apoio da Prefeitura, a Festa no Chupé não pára de crescer, ano após ano.

Enraizada na cultura buritizeirense

A cavalgada é muito mais do que uma atividade física de montaria que, pois abrange respeito e integração com os animais, contato com a natureza e a oportunidade de contemplar belas paisagens regionais. Unindo passeio (lazer), hábito, aventura e esporte, a prática da cavalgada está enraizada na cultura buritizeirense, ainda passada de geração em geração entre várias famílias e comunidades rurais.

As cavalgadas fazem parte de uma tradição milenar que surgiu na Europa e na África, no auge da fase de domesticação dos cavalos. Apesar de existirem há muitos séculos, as cavalgadas ganharam mais força nas últimas décadas e se tornaram bastante populares entre os fazendeiros, criadores de animais e peões, ganhando status cultural, esportivo e turístico.

ASCOM 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.